Os caminhos da modernização do setor elétrico brasileiro

Por: Energy Future  |    05/11/2019
Imagem do post undefined

Novas tecnologias, sustentabilidade ambiental e protagonismo do consumidor. Saiba mais sobre os principais desafios e oportunidades da indústria elétrica nacional.

As transformações sociais e tecnológicas no Brasil e no mundo impactam diretamente a indústria elétrica. A preocupação ambiental, o protagonismo do consumidor e a convergência digital estão rompendo paradigmas. As novas mudanças trazem desafios, mas, sobretudo, oportunidades de desenvolvimento do setor elétrico.

Substituição das fontes fósseis por renováveis

A preocupação ambiental leva à incorporação cada vez maior de fontes renováveis na matriz energética global. Na maior parte do mundo, o modelo de geração, largamente baseado em fontes fósseis, tem se esgotado.

De acordo com os dados do Relatório da Situação Global das Renováveis 2019 produzido pela BloombergNEF (BNEF), o investimento global em energias renováveis atingiu 288,9 bilhões de dólares em 2018, superando o apoio financeiro à geração de energia a partir de combustíveis fósseis ($ 272,9 bilhões).

"O investimento global em energias renováveis atingiu 288,9 bilhões de dólares em 2018, superando o apoio financeiro à geração de energia a partir de combustíveis fósseis" (Fonte: BloombergNEF)

A China liderou o investimento no setor pelo sétimo ano consecutivo, sendo responsável por 32% do investimento global total, seguida pela Europa com 21% e os Estados Unidos com 17%.

O Brasil foi responsável por 1% do investimento global. Número que é ainda considerado muito baixo pela possibilidade do melhor uso dos recursos naturais: fontes eólicas, fontes solares e biomassa, para além do aprimoramento das hidrelétricas, principal fonte de energia do país.

Influência do consumidor protagonista no mercado

O avanço das tecnologias da informação e comunicação, com a propagação das mídias sociais e plataformas digitais, está modificando radicalmente as relações entre as empresas do setor elétrico e os consumidores.

A percepção de valor para o consumidor passa a ser mais baseada na transparência e na interatividade do relacionamento. Cada vez mais consciente, esse consumidor acessa informações, compartilha experiências e avalia serviços.

Nesse novo contexto do protagonismo do consumidor, projetos de lei vêm sendo analisados na Câmara dos Deputados, prevendo a portabilidade na conta de luz. O mecanismo permite ao consumidor escolher de quem comprar a energia. Algo já possível no mercado livre, formado por consumidores de grande porte (mais de 3000 kW/mês).

A maior liberdade de escolha do cliente e o maior dinamismo do mercado livre são também vistos como oportunidades em ações propostas no relatório entregue ao Ministério de Minas e Energia no mês de outubro pelo grupo de trabalho que discute as ações de modernização do setor elétrico. O documento destaca a necessidade de ampliação das possibilidades de livre contratação de energia elétrica pelos consumidores.

Com a proposta de modernização, o governo e os parlamentares querem preparar o setor para tendências já observadas em outros países. Na América Latina, Peru, Uruguai e Colômbia já adotaram o modelo.

Digitalização do sistema elétrico

Nos últimos anos, o setor elétrico passou por avanços tecnológicos significativos, com destaque para as novas fontes de geração. As próximas mudanças tecnológicas passam pelo caminho da matriz mais limpa, com geração descentralizada, e mudança no perfil do consumidor. E a convergência digital é vista como elemento-chave para o sucesso dos novos negócios no setor.

Os caminhos da modernização do setor elétrico brasileiro percorrem tecnologias que ajudam a criar redes inteligentes capazes de aumentar a eficiência do sistema elétrico, controlar o fluxo de energia e impactar menos o meio ambiente. Também passam por transmissões criptografas que ajudam a prevenir fraudes e por sistemas de armazenamento que possibilitam a reserva de energias renováveis para momentos de maior demanda, diminuindo o desperdício.

Muitos são as possibilidades de percursos. A escolha por um caminho ou/e outro envolve a integração dos diferentes atores do setor elétrico para que passos largos sejam dados e o Brasil não tenha a sensação que ficou para trás.